Parada de produção na indústria: quais impactos ela causa?

Parada de produção na indústria: quais impactos ela causa?

Um dos fatores que mais impactam a produtividade é a parada de produção na indústria. O bom funcionamento dos ativos, uma equipe devidamente preparada, dados estratégicos acerca dos processos e uma gestão preditiva são as principais ações para evitar essa ocorrência.

Quando as máquinas estão paradas, a equipe de trabalho fica ociosa, recursos e insumos são desperdiçados, podem ocorrer deficiências no controle de estoque e atrasos nas entregas.

Os principais motivos que levam a uma parada de produção abrangem três categorias: erro humano, falha no próprio equipamento ou falha nos processos. Dessa forma, podem ser por problemas no fornecimento de matéria-prima, acidentes de trabalho, falta de manutenção ou pelas paradas forçadas em decorrência de gargalos.

Neste artigo destacamos as consequências das paradas de produção na indústria e algumas ações que podem ser tomadas para aumentar a disponibilidade dos equipamentos e a confiabilidade dos processos. Confira!

Quais as consequências das paradas de produção na indústria?

Em curto prazo, os efeitos das paradas podem ser sentidos com problemas no estoque e no aumento das taxas de ociosidade dos profissionais responsáveis pelos processos. A longo prazo, isso pode afetar a credibilidade da empresa no mercado pelo aumento da insatisfação dos clientes e a perda de competitividade. Veja essas consequências de maneira mais detalhada a seguir.

Surgimento de gargalos

Segundo a Teoria das Restrições, gargalos sempre estarão presentes em processos de produção. Quando um gargalo é eliminado, novos são criados, mesmo que em menores proporções. Por isso, é necessário reduzi-los ao máximo, primeiramente, identificando sua origem.

Essa identificação pode ser feita por meio do mapeamento de processos, para que cada fase que compõe a produção de um bem ou a execução de um serviço seja devidamente identificada. Dessa forma, os vãos entre essas fases, ou seja, o tempo entre uma etapa e outra, não se transforma em tempo ocioso de máquinas e profissionais.

Furos no estoque

A parada de produção na indústria também interfere na contabilização do estoque. Não do inventário em si, mas na previsibilidade de produção, necessária para o correto atendimento de uma demanda.

Quando a capacidade produtiva de uma empresa não está em sintonia com a demanda de mercado, podem faltar itens e serviços aos consumidores e clientes da empresa e isso impacta diretamente a credibilidade do negócio.

Aos poucos, os clientes migram de marca e procuram novos fornecedores para aquele bem ou serviço, culminando na perda de competitividade e de uma parcela considerável de market share.

Atraso nas entregas

Os atrasos também são ocorrências que prejudicam a competitividade das empresas, pois reduzem os níveis de satisfação dos clientes.

Esse atraso é, em grande parte, consequência dos gargalos criados em processos internos. Quando, em alguma fase, a parada de produção interfere no andamento das etapas subsequentes, toda a produção fica comprometida, inclusive as fases anteriores ao gargalo.

As primeiras, por manterem a produção ativa, geram estoques sobressalentes. As posteriores, por se tornarem ociosas, resultam em atrasos.

Equipe de trabalho ociosa

Os profissionais responsáveis pelos processos nas etapas em que ocorrem as paradas, acabam com sua mão de obra subtilizada. Essa ociosidade reduz a produtividade de toda a indústria, da mesma forma como ocorrem os atrasos.

Além disso, aumentam a insatisfação da equipe, que passam a trabalhar com baixo desempenho, ficam dispersos e podem atrapalhar outros profissionais não envolvidos no processo estagnado.

Desperdício de recursos

Além dos insumos e matérias-primas que podem ser desperdiçados na espera pela normalidade dos processos parados, a empresa também precisa arcar com os mesmos custos fixos mensais, como um aluguel, que poderiam ser rateados de maneira mais eficiente se a produção não fosse prejudicada.

Contas de consumo, como energia elétrica e água, mesmo sendo valores cobrados proporcionalmente ao uso das máquinas e equipamentos, também são desperdiçados. Isso, porque quando sistemas são interligados, qualquer parada pode prejudicar o desempenho das demais soluções que compõe a infraestrutura.

Como evitar a parada de produção na indústria?

Para evitar a parada de produção na indústria, o primeiro passo é monitorar os processos. Por meio do uso de tecnologia, é possível obter dados mais precisos sobre as atividades realizadas na empresa e estabelecer indicadores de desempenho (KPI) para acompanhar esses resultados.

Além disso, criar uma infraestrutura redundante, com a duplicidade das máquinas mais importantes para o andamento dos processos ou das peças para a substituição imediata ao aparecimento do defeito, pode reduzir os efeitos de uma possível parada de máquina.

Uma parada que poderia demandar horas de manutenção, deixando recursos indisponíveis e aumentando a ociosidade dos profissionais, pode ser facilmente sanada com a troca do equipamento ou das peças já guardadas em estoque.

Ao verificar a existência de uma gargalo que culmine na parada de produção, são necessárias ações corretivas imediatas e o estabelecimento de requisitos que minimizem a possibilidade de uma nova parada.

Como definir uma política de manutenção para estabilizar a infraestrutura?

Outra ação decisiva para o bom desempenho dos processos é a política escolhida para a manutenção da infraestrutura. Os procedimentos devem ser adequados e, por isso, precisam ser documentados e acompanhados, de preferência, por meio de soluções integradas de gestão.

Além disso, a equipe de avaliação e manutenção precisa ser prontamente avisada quando ocorrer a falha ou gargalo, para efetivar ações corretivas imediatas e reduzir o tempo de resolução de problemas.

Implementar uma estratégia de manutenção preditiva, baseada num planejamento e comprometimento constantes, é crucial para o sucesso das operações.

A equipe responsável deve ser devidamente capacitada e treinada de forma contínua, o plano deve ser cumprido rigorosamente e as causas das paradas de produção devem ser combatidas para evitar que os problemas sejam recorrentes.

As paradas de produção na indústria acontecem quando o ciclo produtivo não é devidamente acompanhado. A as características da infraestrutura, a qualidade dos insumos e o nível de capacitação dos profissionais envolvidos nos processos são requisitos mínimos para evitar essa ocorrência.

Existem formas de aliar tecnologia ao comprometimento de um parceiro de negócio para reduzir os efeitos de um gargalo muito comum às empresas: a parada dos equipamentos de impressão. Quando o parque de impressão para, a produtividade da empresa cai e novos custos surgem para afetar a lucratividade da organização.

Nosso artigo foi útil para você? Assine nossa newsletter, receba conteúdos exclusivos com dicas para combater esse gargalo (e outros!) na gestão do seu negócio e aumente a produtividade da sua empresa!

Compartilhe esse post!