O que são as etiquetas RFID e qual a relação com código de barras?

O que são as etiquetas RFID e qual a relação com código de barras?

Uma empresa precisa constantemente estabelecer estratégias para otimizar o tempo de seus colaboradores e torná-los mais produtivos. Para isso, é preciso contar com a tecnologia como aliada em todos os processos do negócio, desde a produção até a venda. Nesse contexto, o uso de sistemas de código de barras tem se aprimorado ao longo dos anos, justamente para trabalhar integrado com ferramentas computacionais e proporcionar mais rapidez no fluxo de tarefas.

Sendo assim, as etiquetas RFID surgiram com o objetivo de ser um facilitador que substitui a leitura dos códigos e que podem ser utilizadas no processo logístico de uma organização.

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para que você entenda um pouco mais sobre o que são essas etiquetas e qual é a sua relação com o código de barras. Boa leitura!

Entenda como funciona o código de barras

Antes de explicarmos o que são as etiquetas RFID, é preciso entender um pouco mais sobre o funcionamento dos códigos de barras. A sequência de barras brancas e pretas que conhecemos no código representa que ali há um conjunto de números que vai identificar o produto em seu processo logístico. Esses números são compostos pelo que chamamos de código binário (1 e 0), muito utilizado na informática.

A divisão do código é feita em 95 partes iguais. A barra preta representa o número 1, enquanto a barra branca o número 0. Dessa forma, em uma sequência única — cada produto tem a sua representação de maneira diferenciada — o leitor consegue fazer a identificação do material. Inclusive, é possível entender de qual categoria é, tamanho, entre outras especifidades.

Ao se aproximar do leitor, os locais onde a barra for preta, a luz é absorvida, enquanto é refletida nos locais em que ela é branca. Assim, o computador conseguirá identificá-lo.

Saiba qual a relação entre o código de barras e as etiquetas RFID

Conforme abordado, continuamente é preciso aprimorar estratégias para que haja otimização de tempo nos processos logísticos. Os códigos de barras, apesar de serem muito eficientes e oferecem a rapidez necessária, além de terem fácil implementação e baixo custo, ainda pecam no sentido de sua leitura necessitar obrigatoriamente da aproximação do leitor com a sequência descrita — e de fazerem parte de uma etapa estritamente manual.

Foi aí que surgiram as etiquetas RFID. Por meio da tecnologia de radiofrequência, é possível que haja a identificação automática de sensores. Isso faz com que não seja mais necessário o trabalho manual em caixas de supermercados, por exemplo, assim como os trabalhos exercidos para identificar mercadorias em uma gestão de estoque.

Para o seu funcionamento de maneira eficiente, ela é composta por uma antena, que capta e envia as informações. Além disso, há a presença do microchip —  que armazena os dados necessários para a identificação dos produtos — e de um transponder ou tag, cuja estrutura serve para proteger as partes.

É basicamente o mesmo trabalho oferecido pelo código de barras. No entanto, com as vantagens de que oferecem mais eficiência e otimizam a rotina dentro de uma empresa.

Nesse conteúdo, você pôde entender um pouco mais sobre o funcionamento dos códigos de barras e como as etiquetas RFID surgiram para facilitar o processo dentro das organizações. Hoje, é possível contar com o auxílio da tecnologia para garantir mais produtividade em uma empresa, contribuindo para que as metas e os objetivos almejados no planejamento estratégico sejam alcançados com mais êxito.

Gostou dessas informações e deseja ficar por dentro de mais dicas e novidades como essas? Siga nossas redes sociais e fique por dentro dos conteúdos: estamos no Facebook e no LinkedIn!

Compartilhe esse post!