Entenda como deve ser feita a gestão de qualidade nas empresas

Entenda como deve ser feita a gestão de qualidade nas empresas

A gestão da qualidade é um conjunto de ferramentas e atitudes destinadas a promover uma visão sistêmica da empresa. Ela foi desenvolvida na década de 1920, com o trabalho do estatístico norte-americano Walter Andrew Shewhart.

Esse profissional buscava um meio de mensurar com mais precisão as variáveis que poderiam ser encontradas na produção tanto de bens como de serviços. Neste post, mostraremos como ela deve ser feita diretamente nas empresas. Confira conosco!

Envolver todos os profissionais

É uma boa ideia iniciar os procedimentos com o engajamento dos seus colaboradores nesse projeto. Isso porque todos os profissionais têm uma conexão direta com a qualidade final do que está sendo colocado no mercado. Assim, nada mais natural que eles sejam conscientizados desde o início.

Para o sucesso desses treinamentos, é muito importante integrar os setores. Isso pode ser feito por meio de treinamentos próprios. É uma boa ideia, também, para que profissionais de diferentes setores se conheçam melhor e consigam alinhar seus objetivos em prol da empresa.

Considerar soluções digitais

Além disso, é importante notar que esse tipo de gerenciamento também pode envolver a implementação de um software destinado ao SGQ (Sistema de Gestão de Qualidade). Trata-se de uma solução digital destinada a mapear os processos da empresa de forma apurada.

Assim, os treinamentos que mencionamos no tópico anterior devem envolver tanto a parte de conscientização sobre os objetivos da iniciativa como a parte técnica, na qual os colaboradores designados começam a operar o sistema de forma bem-sucedida.

Definir os produtos e processos que mais impactam o negócio

Para as companhias que produzem e comercializam uma grande variedade de produtos e conduzem muitos processos, implementar a gestão de qualidade em todas essas atividades pode acabar se revelando um trabalho complexo demais, que sobrecarregue os profissionais.

Desse modo, o melhor a se fazer é selecionar os produtos (ou a família deles) que têm mais impacto no desempenho como um todo. Para identificá-los, basta prestar atenção às mercadorias ou serviços que compõem o maior volume de itens comercializados — e que, consequentemente, geram mais faturamento.

Aplicar a Curva ABC

Outra boa ideia é utilizar a metodologia conhecida como Curva ABC, também conhecida como Análise de Pareto. Nesse caso, os produtos A são aqueles que representam até 80% do faturamento, enquanto as mercadorias B e C se relacionam a 15 e 5% do que é obtido, respectivamente.

Assim, será mais fácil definir o que é mais importante, principalmente em empresas que produzem muitas mercadorias e serviços diferentes. As boas práticas de gestão de qualidade, como a utilização de indicadores e métricas próprias, poderão começar por aí.

Acompanhar e mensurar os indicadores de qualidade

Aqui, temos o momento dedicado à definição dos indicadores mais importantes para acompanhar o desempenho dos produtos, serviços e processos. Assim, questões como a conformidade da matéria-prima adquirida, dimensões e defeitos de embalagem/etiquetas são monitoradas com mais atenção.

Já em relação aos processos, as métricas e indicadores vão cuidar do recebimento da matéria-prima, produção efetiva das mercadorias, armazenamento e transporte, entre outras questões. É importante notar que uma das prioridades, aqui, é cuidar para que os indicadores sejam utilizados de acordo com o propósito.

Os que mais se relacionam a esse tipo de gerenciamento são o Custo de Gestão de Qualidade e o ROI, que mede o retorno sobre investimento. O primeiro estima os gastos relacionados à produção e o segundo dimensiona o nível de rentabilidade possível.

Buscar certificações

Quando falamos sobre a gestão da qualidade, é preciso compreender que uma certificação aplicada à empresa sinaliza ao mercado e aos clientes que essa empresa busca atender padrões elevados de excelência. Dessa forma, será mais fácil agregar credibilidade aos seus serviços e atrair profissionais de alto nível para contribuir em seus projetos.

Quando uma organização se compromete com uma certificação, ela também mostra aos prestadores de serviço e fornecedores que eles estarão firmando uma parceria com profissionais sérios, que respeitam as regras de conformidade previstas nas legislações e adotam as melhores práticas.

Assim, podemos mencionar algumas certificações e normas importantíssimas para implementar em seu negócio:

  • ISO 9001 — não à toa, ela é conhecida como a principal referência em gestão de qualidade;
  • ISO 14001 — relacionada à qualidade da gestão ambiental;
  • ISO 16001 — que se refere à responsabilidade social.

Essas certificações não se tratam de meros papéis anexados aos escritórios: elas exigem uma adaptação rigorosa por parte da sua empresa, que será visitada por auditores experientes.

Todas as mudanças destinadas a gerar mais qualidade em seus processos serão integradas à cultura organizacional como um todo, mantendo o aumento de produtividade no longo prazo.

Estabelecer uma estrutura de resolução de problemas com agilidade

Essa prática tem a ver com a ideia de conferir a autonomia necessária para que os líderes e operadores realizem modificações efetivas nos processos. Podemos associar essa etapa com o treinamento dedicado aos profissionais no primeiro processo.

Isso porque colaboradores bem-treinados e cientes dos objetivos serão profissionais mais qualificados para concretizar alterações de forma mais ágil. Dessa forma, será possível reduzir custos gerados por paralisações em longa escala, por exemplo — que costumam ocorrer quando as equipes não têm muito conhecimento sobre o que causou uma pane nos processos.

Além disso, com menos paralisações e mais qualificação profissional, há um aumento significativo de produtividade na empresa. Com o crescimento do negócio sendo sinalizado ao mercado, os clientes se tornam mais satisfeitos e a própria companhia consegue atrair os profissionais mais destacados no mercado.

Como pudemos ver no post, a gestão de qualidade envolve a adoção de boas práticas destinadas a elevar a produtividade e reduzir desperdícios nos processos. É possível adotar tecnologias destinadas a gerar os ativos de forma mais eficiente.

Independentemente do seu ramo de atuação, a gestão da qualidade representa um conjunto de ações às quais a empresa pode se adaptar e elevar o desempenho e o apuro técnico em seus produtos.

E aí, curtiu o post e quer ler mais sobre como medidas de gestão de qualidade podem ser associadas à tecnologia em informação para otimizar os seus processos? Então, aproveite a visita e leia o nosso post sobre gestão de ativos em TI!

Compartilhe esse post!